C   redit
O chato de falar de amor é que todo mundo um dia na vida já escreveu um verso ou uma prosa sobre o assunto. Todo mundo já deitou na cama, com um sorriso de ponta à ponta, olhos bobos e completamente apaixonados e derramou alguma frase romântica num papel. Todo mundo já falou de amor. Os romances estão entre os mais vendidos no mundo todo, as músicas românticas dominam as rádios, os cds, as bocas que repetem em uníssono as mesmas bobagenzinhas de sempre. Amor é febre que todo mundo tem, é sol que esquenta todas as faces da Terra. É esse o problema, quando se tenta escrever qualquer coisa sobre tal sentimento, fica parecendo só mais um eco de uma frase já conhecida há muito. Parece só mais uma repetição barata de um parágrafo sobre amores impossíveis e perfeitos. Amor é o clichê mais antigo. Não importa quantas definições se invente, quantos sinônimos se use para tornar a descrição diferente, o amor é igual, é o mesmo de sempre. O amor é se jogar de um precipício sem saber se existirá alguém lá em baixo? É. É não desistir, não abandonar e não esquecer? É também. E matar ou morrer por alguém? É, é, é. Amor é tudo. Porque vive em nossos atos, soa de nossas bocas, exala de nosso corpo. Nós somos o amor e dele vivemos. Ainda que cada um invente um sentido novo para a palavra, em essência, o sentimento não muda. Há quem cometa loucuras por ele e há quem sossegue pelo mesmo motivo. Há os que dizem viver perfeitamente bem sem ele, mas há os que se matam. E todos têm ao menos uma coisa em comum: tentam ou já tentaram ser o amor de alguém. Ser unidade, presença, porto seguro ou de fuga. E não adianta negar, todo mundo já sentiu pontada no coração e revirada no estômago. Todo mundo já chorou com as partidas ou com as chegadas. Cada um de nós já nos jogamos na cama querendo sumir ou querendo voar com tamanha felicidade. Tudo isso é amor. Se não é ele, é falta dele. E ambos doem! Por Deus, ambos estilhaçam em algum momento a nossa vida, o nosso peito. E por que? por que continuamos insistindo? Não existem metades das laranjas, príncipes encantados, relacionamentos perfeitos… então, por que? Porque, de certa forma, toda forma de amor nos faz sentir mais vivos. Tanto as cicatrizes quanto os sorrisos nos fazem perceber que somos de carne e osso e a vida não é só pura ilusão. Porque quem morre não sente nada, e amor é a prova de que estamos vivos.
rio-doce. 
2873reblog
Você bem que podia me aparecer, nesses mesmos lugares, nas noites, nos bares, onde anda você?!
Vinícius de Moraes 
938reblog
Não existem pessoas frias, existem pessoas que aprenderam a bloquear seus sentimentos.
House. 
2866reblog
Você bem que podia me aparecer, nesses mesmos lugares, nas noites, nos bares, onde anda você?!
Vinícius de Moraes  
938reblog
2074reblog
Eu sempre me amarrei num otário, sabe? Sempre curti aqueles caras complicados. Sempre gostei mais dos caras que meu pai mandava eu ficar longe. Sempre fui do contra. E esses são uns dos motivos que faz eu gostar tanto assim você. Porque tu é furada. Mas eu me amarro em tudo que é errado. Na verdade, eu me amarro nos teus erros. E eu me amarro mais ainda em tentar arrumar sua bagunça, mesmo sabendo que é praticamente impossível de arrumá-la. Eu sempre me amarrei naqueles caras idiotas, quanto mais idiota for, mais eu vou gostar. Nem preciso dizer por que eu gosto tanto de você, né?
anna and luc.  (via oxidos)
4991reblog
1reblog
Bom diazinho! <3
Não sei se você sabe, mas você mudou a minha vida. Eu nunca quis alguém que me prendesse. E veio você, que me liberta todos os dias. Inclusive de mim mesma. Você me protege. Segura a minha mão e escuta todas as besteiras que eu tenho a dizer. Você entende os meus silêncios. Fica do meu lado mesmo quando não sabe o que falar e me abraça forte quando eu não sei o que fazer. Eu diria que você salvou minha vida se não soasse tão exagerado. Você é meu ponto de partida e meu destino final. Você me ouve, você me deixa dividir problemas, me deixa reclamar de tudo, me deixa chorar, me deixa bagunçar seu cabelo, seu coração e a sua vida. Você deixa eu ser eu. Ninguém nunca me viu tão transparente como você, ninguém nunca conheceu meu corpo de verdade, meu coração de verdade e ainda sim, quis ficar. Só pra você eu me entreguei, só pra você eu me rendi e me desmontei inteira porque confiei que você me amaria mesmo eu sendo assim, completamente imperfeita, confusa, intensa e cheia de defeitos. Você faz com que eu goste do que vejo quando me olho no espelho. Você faz eu me amar do jeito que eu sou. Obrigada por me ajudar a me libertar de todos os meus medos. Eu tinha medo de amar. Hoje ele foi embora. Graças a você.
Giulia Mainardi 
988reblog
E eu, gostava tanto de você.
Tim Maia.  
Talvez eu seja mesmo solitário. Talvez eu seja mesmo um fracasso. As vezes eu só queria um pouco da atenção que eu nunca realmente tive. Fui ver que o melhor modo leva a piores resultados. Eu só queria a quantidade de “amigos” necessária. Eu só queria ser visto de um jeito e ser aceito. Eu nunca quis o mal pra ninguém, a não ser que desejassem o mal para mim. Talvez eu seja assim hoje, pelo o que me negaram no passado: ajuda. Quantas vezes eu pedi ajuda e ninguém ouviu — ou percebeu? Penso que ajuda não se baseia em gritar pro mundo todo que se precisa dela. Se você quer ajuda, você demonstra, e simples atos indicam isso, como por exemplo se afastar dos amigos ou até mesmo se prender em um quarto e chorar. Talvez toda essa atenção que eu preciso — ou precisava, fosse resultado da atenção nunca recebida. Talvez essa minha obsessão em ter amigos é resultado dos amigos nunca tidos. Enfim, tudo o que eu necessito hoje é resultado do que eu nunca tive e talvez eu só queira sentir o gosto de coisas nunca sentidas. Talvez eu queira poder ter alguém tarde da noite pra poder deitar no ombro e chorar as dores do dia-a-dia. Eu nunca pude contar com alguém pra isso. Acho que esse texto explica bem que eu nunca senti o amor vindo e me arrebatando, como todos dizem. Amar pra mim é um luxo, é coisa desconhecida. É coisa nunca sentida, é um mito. Afinal, esse tal de amor existe mesmo ou é só história pra colocar criança pra dormir?
Talvez eu só queira ser amado. 
568reblog